Aposentadoria da Pessoa com Deficiência em 2023: Como Funciona

Aposentadoria da pessoa com deficiência

As pessoas com deficiência (PCD) que exerceram atividades laborais possuem direito a um tipo de aposentadoria exclusivo garantido pela Lei Complementar 142/2013.

No entanto, a Reforma da Previdência impôs algumas mudanças. Atualmente, o benefício conta com duas regras. Por isso, é muito importante estar atento a essas novidades para não cometer equívocos na hora de exigir este direito.

Quem tem Direito à Aposentadoria da Pessoa com Deficiência?

Para ter este benefício, o trabalhador precisa ter exercido o seu ofício na condição de pessoa com deficiência.

Esta deficiência pode ser de ordem física, mental, intelectual ou sensorial e não importa qual é o grau da condição que a pessoa possui.

Leva-se em conta apenas se o indivíduo possui condição de igualdade com as demais pessoas na sociedade.

Como Obter Aposentadoria da Pessoa com Deficiência

Existem duas possibilidades para obter a aposentadoria da pessoa com deficiência:

  • Aposentadoria da pessoa com deficiência por idade; 
  • Aposentadoria da pessoa com deficiência por tempo de contribuição.

Aposentadoria da pessoa com deficiência por idade

As regras desta modalidade variam entre homens e mulheres e funcionam da seguinte forma:

Homem

  • 60 anos de idade;
  • 15 anos de contribuição;
  • Comprovar deficiência durante o tempo de contribuição.

Mulher

  • 55 anos de idade;
  • 15 anos de contribuição;
  • Comprovar deficiência durante o tempo de contribuição.

Aposentadoria da pessoa com deficiência por tempo de contribuição

Nesta modalidade, além do sexo do trabalhador, também leva-se em conta a gravidade da deficiência que ele possui.

A idade mínima, no entanto, não é um requisito necessário nessas situações.

  • Deficiência grave: 25 anos de contribuição para os homens e 20 anos para as mulheres;
  • Deficiência de grau médio: 29 anos de contribuição para homens e 24 anos para as mulheres;
  • Deficiência leve: 33 anos de contribuição para homens e 28 anos para as mulheres.

O grau da deficiência é determinado por uma perícia médica realizada pelo próprio INSS, que também irá apurar se a condição já existia durante o período de contribuição.

Se a pessoa não possuir tempo de contribuição necessário com deficiência grave, média ou leve, o INSS levará em conta o grau preponderante durante o período de contribuição e fará um cálculo específico para cada situação.

Como Comprovar Tempo de Deficiência?

É preciso apresentar documentos que irão comprovar a deficiência durante o tempo de contribuição, como:

  • Carteira de Trabalho;
  • Contracheques;
  • Contrato de Trabalho;
  • Documentos médicos;
  • Laudos e atestados médicos;
  • Receitas médicas;
  • Exames médicos.

Qual é o Valor da Aposentadoria da Pessoa com Deficiência?

Por idade

Neste caso, o valor da aposentadoria é obtido por meio de um cálculo que, por sua vez, sofreu mudanças com a reforma da previdência, fazendo com que duas regras estejam em vigor atualmente.

A primeira é destinada aos trabalhadores que cumpriram os pré-requisitos da aposentadoria até o dia 12/11/2019:

  • Calcula-se a média dos 80% maiores salários desde julho de 1994.

Já para o caso das pessoas que conseguiram cumprir os pré-requisitos após o dia 13/11/2019, o cálculo fica da seguinte forma:

  • Calcula-se a média de todos os maiores salários desde julho de 1994.
  • O valor a ser recebido corresponde a 70% da média, somando-se 1% para cada ano de contribuição do beneficiário, podendo atingir o limite de 30%.

Por tempo de contribuição

Da mesma forma, nesta modalidade o valor também possui duas regras, para quem cumpriu os requisitos antes e depois da Reforma da Previdência.

Para quem cumpriu os pré-requisitos da aposentadoria até o dia 12/11/2019:

  • Calcula-se a média dos 80% maiores salários desde julho de 1994.

E para quem cumpriu os pré-requisitos após o dia 13/11/2019:

  • Calcula-se a média de todos os salários desde julho de 1994. O resultado é o valor a ser recebido.

Pessoa com Deficiência em Exercício de Atividade Especial

Não é possível reduzir o tempo de contribuição somando atividade especial com o tempo de contribuição da pessoa com deficiência. 

A Lei Complementar 142/2013 veda a redução cumulada de tempo na condição de pessoa com deficiência com tempo especial (nocivo à saúde ou integridade física). No entanto, é permitida a conversão do tempo especial quando resulta em condição mais favorável ao segurado.

Neste caso, é aplicado um cálculo de conversão de tempo de atividade especial em tempo de contribuição da pessoa com deficiência.

A melhor alternativa irá variar de caso para caso e, para isso, o contribuinte pode utilizar a seguinte tabela para avaliar a conversão.

Conclusão

A aposentadoria da pessoa com deficiência possui diferentes modalidades, regras e nuances pelas quais o contribuinte poderá optar no momento de obter o benefício.

Para saber qual é a melhor opção, é importante recorrer à ajuda de um profissional capacitado para orientar. Clique aqui e converse agora com um advogado previdenciário.

Estamos preparados para solucionar suas dúvidas e lidar com o seu caso.

Links Para Leitura

Compartilhar:

Veja mais publicações

Servidor Público Pode Contribuir Para o INSS?
Contribuição Previdenciária

Servidor Público Pode Contribuir Para o INSS?

Muitos servidores públicos, ao planejarem seu futuro previdenciário, se deparam com a dúvida: é possível contribuir para o INSS e garantir uma segunda fonte de